5 métodos para organizar anotações

Quantas vezes você já não pegou um caderno com suas anotações, feitas durante uma aula, e não entendeu nada? Essa situação é muito comum, pois muitas pessoas não seguem bons métodos para organizar as anotações. Porém, se depender desse artigo, você pode deixar esse problema no passado.

Existem diversos métodos que você pode adotar para facilitar as coisas. Muitas vezes, criar o hábito de seguir procedimentos simples fará com que você poupe um tempo considerável na tentativa de decifrar o que foi escrito. Abaixo, listamos alguns dos mais interessantes para você considerar:

1. Frases principais

Essa forma de organização talvez seja a mais comum entre todas. Durante uma palestra ou uma aula expositiva, você precisa ser capaz de sintetizar em frases curtas a fala do professor. Isso ajuda a simplificar conteúdos mais densos, tornando as suas anotações mais objetivas, uma vez que elas vão direto ao ponto.

O problema maior, nesse caso, é como diferenciar pontos principais de temas secundários. Se for possível, usar canetas de cores diferentes o processo fica um pouco mais fácil. Você pode ainda numerar as frases e depois reordená-las na hora de rever as suas anotações.

2. Linhas gerais

Esse é um método bastante tradicional e intuitivo. Mesmo pessoas que não o conhecem utilizam sem saber essas técnicas. Aqui, o que você precisa fazer é criar tópicos principais na folha, alinhados à esquerda, e depois criar subtópicos, deixando uma margem maior a partir do canto da página.

Por exemplo, seu primeiro item pode ser numerado (item 1) e os seguintes podem ganhar sequências como "a", "1.1" ou mesmo um simples hífen/travessão. Quanto mais específico for um tema, mais subdivisões ele pode ter. Por exemplo: dentro do item 3 você pode ter os itens "3.2" e mais divisões, como "3.2.1".

3. Mapas mentais

Já o método dos mapas mentais é mais indicado para quem está estudando um determinado assunto. Ele consiste em fazer representações gráficas dos assuntos e associá-las com os conceitos, visando facilitar a memorização.

Se você estiver falando de "futebol", por exemplo, pode usar a imagem de um jogador de futebol conhecido para remeter àquela lembrança. Você pode usar ainda aplicativos no celular ou no tablet que tenham essa mesma função. Algumas sugestões são: Mind Meister, Mind Node e Free Mind.

4. Método Cornell

Esse método foi criado na década de 50 pelo professor Walter Pauk, na Universidade de Cornell, nos Estados Unidos. Ele é bastante simples: o que você precisa fazer é dividir a sua folha em três partes: uma para informações principais, outra para palavras-chave e outra para fazer uma relação entre os conteúdos.

A grande vantagem desse método é que ele facilita bastante a revisão de conteúdo. Em razão disso, ele é a melhor escolha para usar em aulas ou palestras. O melhor é que depois de terminar as anotações não é necessário passar tudo a limpo, por isso o método é perfeito para revisões.

5. Tabelas

Aqueles que têm mais familiaridade com tabelas podem utilizar esse tipo de divisão como uma maneira de organizar melhor as informações. Seja em aplicativos como o Excel ou mesmo em cadernos quadriculados, essa maneira pode ser visualmente mais agradável de compreender com o que cada informação tem relação.

O ponto negativo fica por conta da dificuldade em criar colunas rapidamente durante uma aula ou apresentação, mas vale a tentativa. Uma boa dica é elaborar as colunas antes da aula começar, mas ainda assim é preciso ficar bastante atento para não errar.